Existe uma grande discussão sobre se o papel vai resistir à era digital. A resposta é sim, o papel impresso é a ferramenta mais eficaz para a comunicação. Estudos e pesquisas mostram que a mídia impressa ainda é o principal recurso de marketing das empresas e consome pelo menos 50% do orçamento global de comunicação.

Sem falar da percepção de que o impresso traz mais confiabilidade e se torna um material de maior absorção de concetração. Ainda temos grandes oportunidades para a expansão das gráficas brasileiras em diversos segmentos como embalagens, materiais no PDV (ponto de vendas), papelaria e claro, brindes físicos (nada melhor do que presentear o cliente com algo que seja útil e que ele possa tocar, não é mesmo?).

“Por isso, mesmo com uma eventual diminuição da demanda do mercado editorial e publicitário, acredito na volta do mercado gráfico a um patamar superior ao de hoje. A história mostra que mídias também tradicionais como cinema, televisão e rádio sobreviveram e se adaptaram com o surgimento de novas tecnologias. Nesse caso não será diferente, o impresso ainda tem um longo futuro pela frente e as gráficas, editoras e jornais deverão estar preparadas para oferecer o tradicional impresso e ao mesmo tempo oferecer novas soluções.”, disse Fernando Garbarski.